Páginas

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

VIVA O VASCO !

Oi, gente!

Sendo uma data muitíssimo importante, eu não poderia deixar de comemorar aqui no blog... Hoje, o Club de Regatas Vasco da Gama, meu Gigante amor, comemora 115 anos de fundação!

No meio desses muitos anos de história, não foram poucos os momentos nos quais o Gigante da Colina emocionou e fez a diferença!
De construção de estádio próprio, em 1927, a presidente e jogadores negros, quebrando preconceitos, o Vasco da Gama é o clube de mais bela história que eu conheço! E, sinceramente, não digo isso por ser meu clube do coração... Tudo o que o Vasco fez está aí pra todo mundo ver e ninguém pode contestar.

Não preciso falar das vitórias e títulos, aos quais se incluem ser o único clube não-europeu a derrotar o campeão da Copa dos Campeões da UEFA, conquistas de Libertadores, Copa do Brasil, Campeonatos Brasileiros, Cariocas etcccc!

Sinceramente, não me importo em ser a "quarta maior torcida do Brasil", segunda do Rio... Pra tudo na minha vida, vale o ditado: Quantidade não é qualidade. O que me importa e mexe de verdade comigo é saber que os que são vascaínos, o são de coração! É saber que, independente da boa ou má fase (e isso não é "desculpa", que fique bem claro, pra má administração nenhuma!) que for, o sentimento não para! TODO vascaíno, de fato, tem amor infinito! Catemos de cooooraaaaçãããão: VASCO DA GAMAAAAAAAA!!! Ok, me empolguei, voltando...

Seu uniforme preto, que representa os mares obscuros navegados pelas caravelas do grande Vasco da Gama, com a faixa branca simbolizando o estandarte que o navegador recebeu de Don Manuel e a Cruz de Malta no peito, representando a bênção cristã aos povos da Índia, me enchem de orgulho!


Aliás, exceto pela corrupção de alguns senhores, TUDO no Vasco me enche de orgulho!!!

Eis aqui uma parte da história do Gigante que eu amo:
"Mesmo lutando contra os clubes unidos contra ele, o Vasco venceu o América e o Fluminense, conquistando o campeonato, em seu ano de estreia na primeira divisão, no dia 12 de agosto de 1923, deixando o Clube de Regatas Flamengo na vice colocação, o que acabou marcando significativamente a história do clube, do Rio de Janeiro e do Brasil, por ser o primeiro do Clube em uma campanha com integrantes afrodescendentes, pobres e operários a ser campeão. 

De acordo com o professor doutor Rui Proença, português de nascimento e radicado no Rio, o fato foi uma verdadeira revolução, enfatizando os preconceitos e dificuldades inicialmente encontrados pelo Vasco, associando-se ao fato de o Flamengo, o Fluminense e o Botafogo não permitirem a entrada de negros em seus clubes. O clube representaria o congraçamento entre negros, portugueses e grupos discriminados que, unidos, fizeram o Vasco.

Os camisas pretas - apelidado dado aos jogadores vascaínos por causa do seu uniforme, foram ganhando partida por partida, sempre virando o placar no segundo tempo (O VASCO É O TIME DA VIRADA!!!), devido ao ótimo preparo físico dos jogadores, até ganhar o campeonato.

Os adversários do Vasco, indignados com tantas derrotas para o time cruzmaltino, começaram a alegar que o quadro de atletas cruzmaltinos era formado por pessoas de "profissão duvidosa" e que o clube não possuía um estádio a fim de excluí-lo do campeonato. Na época o campinho do Vasco, localizado à rua Moraes e Silva, 261, na Tijuca, só servia para treinos. Após a tentativa fracassada de ver o Vasco da Gama fora da competição em 1923, os clubes da Zona Sul, Botafogo, Flamengo, Fluminense (e alguns outros) encontraram a solução para se verem livres dos vascaínos no ano seguinte...

Se uniram, abandonaram a Liga Metropolitana de Desportos Terrestres (LMDT) e fundaram a Associação Metropolitana de Esportes Atléticos (AMEA), deixando de fora o Vasco, que só poderia se filiar à nova entidade caso dispensasse doze de seus atletas (todos negros) sob a acusação de que teriam "profissão duvidosa". Diante da situação imposta, em 1924, o presidente do Club de Regatas Vasco da Gama, José Augusto Prestes, enviou uma carta à AMEA, que veio a ser conhecida como a "resposta histórica", recusando a se submeter à condição imposta e desistindo de filiar-se à AMEA. A carta entrou para a história como marco da luta contra o racismo no futebol." A seguir:

Rio de Janeiro, 7 de abril de 1924.

Ofício nr. 261

Exmo. Sr. Dr. Arnaldo Guinle


M.D. Presidente da Associação Metropolitana de Esportes Atléticos


As resoluções divulgadas hoje pela imprensa, tomadas em reunião de ontem pelos altos poderes da Associação a que V.Exa tão dignamente preside, colocam o Club de Regatas Vasco da Gama numa tal situação de inferioridade, que absolutamente não pode ser justificada nem pela deficiência do nosso campo, nem pela simplicidade da nossa sede, nem pela condição modesta de grande número dos nossos associados.

Os privilégios concedidos aos cinco clubes fundadores da AMEA e a forma por que será exercido o direito de discussão e voto, e feitas as futuras classificações, obrigam-nos a lavrar o nosso protesto contra as citadas resoluções.
Quanto à condição de eliminarmos doze (12) dos nossos jogadores das nossas equipes, resolve por unanimidade a diretoria do Club de Regatas Vasco da Gama não a dever aceitar, por não se conformar com o processo por que foi feita a investigação das posições sociais desses nossos consócios, investigações levadas a um tribunal onde não tiveram nem representação nem defesa.
Estamos certos que V.Exa. será o primeiro a reconhecer que seria um ato pouco digno da nossa parte sacrificar ao desejo de filiar-se à AMEA alguns dos que lutaram para que tivéssemos entre outras vitórias a do campeonato de futebol da cidade do Rio de Janeiro de 1923.
São esses doze jogadores jovens, quase todos brasileiros, no começo de sua carreira e o ato público que os pode macular nunca será praticado com a solidariedade dos que dirigem a casa que os acolheu, nem sob o pavilhão que eles, com tanta galhardia, cobriram de glórias.
Nestes termos, sentimos ter que comunicar a V.Exa. que desistimos de fazer parte da AMEA.
Queira V.Exa. aceitar os protestos de consideração e estima de quem tem a honra de se subscrever, de V.Exa. At. Vnr. Obrigado.

Dr. José Augusto Prestes.

Presidente.

Pois é, minha gente... Isso é Vasco! =)

Pra fechar, porque já falei muito (sim, esse post seria in-fi-ni-ta-men-te maior), deixo um recado do Reizinho pra vocês: cliquem aqui para assistir ;)

Obrigada, Club de Regatas Vasco da Gama, por me deixar fazer parte da sua história e por fazer parte da minha (sem dúvidas, sempre fará!) - "Eu levo a Cruz de Malta no meu peito desde que eu nasci!"

Parabéns também a todos os vascaínos!
Beijocas emocionadas,
Comentários
2 Comentários

2 comentários:

  1. Fantástico!
    O melhor post do blog :)

    ResponderExcluir
  2. eh verdade
    melhor post!!!!
    vaaaaaaassssscoooo

    ResponderExcluir