Páginas

terça-feira, 24 de julho de 2012

Diário de Viagem

E aí, galera...
(O post é grande, preparados?! =)
Hoje eu vim contar pra vocês (levemente atrasada, hehe) o último dia da minha viagem... Aconteceu mó doideira na quinta à noite, aí não consegui postar. Na sexta cheguei tardérrimo em casa por causa de um engarrafamento horroroooooso e no final de semana... bom, final de semana, né?! ;p
Ah, antes de falar de quinta, tem a quarta à noite, né?! Saímos para comer lá em Ouro Preto e paramos na Choperia Real. Ambiante legal, com música ao vivo e tal (embora eu estivesse mais interessada na novela ;x)... Lá, comi uma "batata recheada de frango com queijo" (isso dizia no cardápio, estava mais pra um escondidinho!!!)... Achei meio sem gosto, mas depois que entupi de azeite e tal, ficou ótimo! =D
Então, na quinta de manhã, saímos do hotel e fomos fazer o passeio de trem até Mariana, cidade vizinha. O "Trem da Vale" saiu 20min atrasado, segundo o moço, por problemas técnicos. O passeio dura 1h (velocidade aproximada: 18km/h). O visual é encantador (foto)! Passamos por cachoeiras, paredões de pedra, montanhas, riachos, túneis etc. Chegamos em Mariana e tínhamos 3h (na verdade 2h40 -por causa do atraso) para passear pela cidade, almoçar e voltar pra estação (pra voltar pra Ouro Preto). Mariana (nome dado em homenagem à Mariana, esposa de D. João V) foi o primeiro arraial, 1ª vila, 1ª capital e onde tinha a 1ª Câmara-cadeira de Minas.
A estação é perto de algumas Igrejas e fomos andando para uma, quando a avistamos. Lá, um guia nos propôs um "passeio" de R$ 50. Não aceitamos. Ele depois foi atrás de nós oferecendo por R$ 30 (o grupo). Fechamos. O passeio começou com a gente passando pela Igreja de São Francisco de Assis (estava interditada), construída entre 1763 e 1794. Logo ao lado, fica o Santuário de Nossa Senhora do Carmo, construída durante 28 anos a partir de 1784 e abalada por um incêndio em 1999. Cobra-se R$ 2 pela entrada, para pessoas acima de 10 anos. Ambas as Igrejas feitas no estilo Rococó. Depois disso (e de muita aula de história dentro da segunda Igreja), fomos onde funcionava a Cadeia-Câmara da cidade (na mesma 'pracinha' das duas Igrejas), como já disse, a primeira de Minas.
Saindo de lá, fomos em direção à Praça da Sé e, no caminho, passamos pela Rua Direita (que, como já expliquei em outro post, era considerada a rua mais importante da cidade), onde morou o Barão de Pontal (Ministro da Economia) entre 1831 e 1833. A fachada da casa é toda feita em pedra sabão e, segundo o guia, é a única no Brasil, "e talvez do mundo inteiro!" -palavras dele. Chegando na praça, tem um chafariz (sem nome) em frente à Catedral Basílica da Sé (Nossa Senhora da Assunção é a padroeira), construída entre 1709 e 1760 no estilo Barroco. Cobra-se R$ 3 a entrada (maiores de 12 anos). De lá, avistamos de longe a Igreja Nossa Senhora do Rosário (a dos escravos), construída em 1772. Então, fomos almoçar para depois voltar pra estação. Comemos no "Lua Cheia", um self-service gostoso, ambiente muito agradável e não caro, a umas 2 quadras da Catedral da Sé.
Chegando em Ouro Preto (na volta do trem), pegamos e carro e fomos para a Mina da Passagem -uma antiga mina de ouro (fica entre Ouro Preto e Mariana). Descemos de troller na mina e ficamos lá embaixo cerca de meia hora com um guia nos explicando sobre a mina, como foi sendo escavada, o trabalho dos escravos, depois dos mineradores.... muito legal lá dentro!!! O moço nos explicou também a origem de alguns ditados populares, alguns eu já sabia e achei um engraçado: sabe aquele lance de "Caiu no conto do Vigário"?! Existe porque, lá naquela época, os Padres (Vigários), falavam pras negras (escravas) roubarem o ouro (escondendo-o em seus cabelos, unhas,...) e darem para ele, que ele lhes daria a liberdade (alforria). Mas ele as enganava e ganhava dinheiro assim, "roubando" o ouro das escravas que caiam no conto do vigário... Hehe. Ah, essa mina vai de Ouro Preto a Mariana! É muuuuito grande e com muitas "aberturas". Lá também vão mergulhadores (foi brotando água e acabou formando um lago lá dentro), que têm aulas e praticam...
Bom, saindo da mina (depois de maaais história, mais fascinação e muito cansaço!!!), resolvemos ir voltando para pegarmos menos estrada na sexta. Passamos, novamente, por Mariana e paramos pra lanchar na padaria "Pão de Queijo". Seguimos pegando estrada e resolvemos parar para dormir em Conselheiro Lafaiete. Fomos no Center Palace Hotel (primeiro que avistamos ao chegar no centro, com uma placa enoooorrrme, coisa e tal). NOJENTO. Se algum dia vocês forem a Conselheiro Lafaiete, SÉRIO, NÃO PAREM NESTA MERDA (a "doideira" que falei no começo do post foi por isso... Não podia subir sem pagar e não quiseram devolver nosso dinheiro. O quarto era nojento, paredes horrorosas, cheias de infiltrações, LENÇÓIS SUJOS, TOALHAS SUJAS, a TV só pegava Globo e não pegava.... HORRÍVEL, mesmo!). Bom, passado o susto fomos para o Hotel Vila Real, pertinho dali. Nossa, nem se compara! Estávamos precisando daquilo. Tomei um banho quente e dormi... ZzzzZZzzZzzz
Ao acordar, tomamos um café-da-manhã muito bom (o melhor! Em 2º lugar ficou o do hotel de Ouro Preto -que também fica em 2º lugar), compramos uns doces e continuamos a voltar... Paramos pra almoçar em Três Rios, na "Rodô Lanches" -fica num posto. Não dava nada por lá, mas, pra mim, foi o melhor almoço! Finalmente, quando estávamos quase chegando, pegamos um engarrafamento horroroso na Av. Brasil (esquecemos de pegar a saída pra Magé e aí estrepou tudo...). Demoramos mais de 5h dali até chegar em casa, mas ok. Chegamos, tudo certo e aqui estamos.
Tudo foi muito bom, adorei escutar algumas histórias, aprender um pouquinho, visitar lugares novos, comer, descobrir, mas: NÃO HÁ LUGAR NO MUNDO MELHOR QUE A NOSSA CASA! E eu vou te contar, não troco minha cidade, meu estado e isso aqui por NENHUM lugar! Só mais uma OBS: Agora entendo porque os mineiros adoraaaaam minha cidade! Como viver sem praia, sem sol, sem uma brisa não gelada?! Amo muito tudo isso!!!
Beijocas e até a próxima...
Comentários
2 Comentários

2 comentários:

  1. De tanto falar nessa viagem, um dia vamo ter que fazer algo do tipo junto.
    Mas o que eu gostei mermo foi dessa ultima frase, hahaha. Tem como viver de outro jeito nao!

    ResponderExcluir